Pagamentos-e-cobranças-recorrentes-5-razões-para-usar-e-aumentar-fidelização-de-seus-clientes

Cobranças e pagamentos recorrentes: 5 razões para usar e aumentar fidelização de seus clientes

Qual sua série preferida do Netflix? Bem, então, imagine a situação: você vai assistir o último episódio da temporada mas o serviço de vídeo streaming não funciona. Então, você lembra que não pagou a fatura daquele mês.

É para evitar esse tipo de problema é que existem os pagamentos recorrentes.

São usados em atividades contínuas, como serviços ou produtos cuja adesão ocorre por mensalidade, planos ou assinaturas — como academia de ginástica, instituições de ensino, clube de vinho ou o já mencionado serviço de streaming de vídeo Netflix.

Pagamentos recorrentes são opções que não pedem constantes renovações ou mudanças, criando estabilidade para o cliente e evitando dores de cabeça.

Assim, quem opta pelo pagamento recorrente recebe serviços ou produtos no período estipulado (geralmente mensal) sem se preocupar com mudanças de pacote, novas solicitações ou atualizações. Em troca, paga o valor médio no período previamente definido.

Muitas empresas já aderiram ao sistema de cobrança recorrente para evitar preocupações por parte do cliente, qualificar suas atividades internas e melhorar a área financeira, gerando benefícios para ambas as partes.

Para entender alguns exemplos, veja 5 vantagens pelo uso da cobrança recorrente e tire suas dúvidas!

1. Aumento da fidelização de seus clientes

Os departamentos de sucesso do consumidor sabem a dificuldade em manter o público com interesse constante nos produtos e serviços oferecidos. Assim, conseguir fidelizar o cliente é um passo para estabilidade e possíveis crescimentos na empresa.

Para isso, é necessário investir na experiência do usuário e benefícios, facilitando atividades individuais. A cobrança recorrente elimina processos comumente realizados em serviços com data de expiração (e chatos para o cliente), como:

  •         Possíveis pesquisas por planos similares dos concorrentes;

  •         Tempo dedicado (e muitas vezes perdido para o cliente) na renovação de            contratos;

  •         Taxas variáveis que prejudicam a receptividade do usuário.

O Netflix, por exemplo, trabalha com assinatura recorrente garantindo acesso mensal de conteúdo em streaming, sempre com opções novas. O Spotify oferece o mesmo planejamento na área musical, com acesso premium para assinantes da plataforma.

Além disso, o serviço também é usado em venda de produtos, como na Amazon que adaptou seu site com opções para clientes definirem um padrão de compras mensais, entregues automaticamente a partir do sistema de pagamento recorrente.

2. Maior controle e planejamento financeiro

Com valor padrão descontado mensalmente, é provável que o cliente se planeje, diminuindo a taxa de inadimplência entre consumidor e empresa e garantindo uma receita sustentável.

Além disso, a instituição pode desenvolver novas estratégias se já prevê os resultados das vendas, trabalhando com dados reais que permitem melhor visualização e entendimento, questões indispensáveis para:

  •         Direcionar verbas;
  •         Elaborar estratégias;
  •         Alterar propostas pouco vantajosas;
  •         Implementar novos projetos.

3. Redução de falhas e aumento da qualificação na cobrança

Ainda influenciando positivamente no planejamento financeiro, a cobrança recorrente é automatizada e elimina trabalhos manuais que demandam tempo, criando oportunidade de direcionar funcionários às áreas mais específicas.

A qualidade das cobranças e recepção dos pagamentos também é alterada. Afinal, se o sistema é definido por softwares de automação, há menos riscos de erros humanos. É que, muitas vezes, esse tipo de falha passa despercebido e interfere nos valores e dados finais, com prejuízos para a instituição.

4. Mais índices de performance e acompanhamento de métricas

Com taxas, dados e números mais bem definidos, é possível mensurar:

  •         Performance de atividades e estratégias;
  •         Diferença entre lucros ou prejuízos mensais;
  •         Se há períodos de menor adesão e quais os picos de procura.

Exemplos de mensurações importantes que podem ser melhor visualizados ao aderir a cobrança e pagamentos recorrentes são: Monthly Recurring Revenue – MRR, Growth Rate, Churn, Lifetime Value – LTV, Custo de Aquisição por Cliente – CAC e Ticket Médio.

Com essa abrangência, vale a pena pesquisar a relação dos conceitos para entender como mensurar resultados específicos de cada setor empresarial.

5. Maior oferta na variedade de pagamentos ao seu cliente

Todo o sistema de pagamentos recorrentes pode ser elaborado de acordo com as necessidades da empresa. Assim, é possível definir:

  •         Valores compatíveis com o plano de cada consumidor;
  •         Datas de cobrança e juros proporcionais caso haja atrasos;
  •         Formas de pagamento mais interessantes para seu público-alvo.

É possível, por exemplo, elaborar uma plataforma de pagamentos online ou utilizar sites renomados e prontos para seu negócio, trabalhar com cartões de bandeiras diversas para maiores adesões, oferecer pagamento em boleto (um dos mais aderidos no Brasil) ou mesmo débito automático, sem descontar o limite de crédito como compras parceladas.

A cobrança recorrente chegou para ajudar empresas e consumidores, garantindo melhor experiência como usuário, menos preocupações e possíveis aumentos na atuação da empresa, melhorando sua performance em cada serviço oferecido.

Não perca tempo e conheça suas opções!

Guia PayU Tudo sobre pagamentos online